Home / Saúde e Bem Estar / 3 Exercícios para Quem Tem Doenças Articulares

3 Exercícios para Quem Tem Doenças Articulares

Procurando exercícios para quem tem doenças articulares? Seus problemas acabaram! Leia este artigo e descubra os melhores treinos para quem tem problemas ósseos e nas articulações.

Pessoas que possuem problemas articulares podem praticar qualquer tipo de exercício. Porém, alguns deles, como a musculação, precisam de acompanhamento profissional e de algumas precauções antes de começarem a ser praticados.

Porém, existem diversos exercícios para quem tem problemas articulares que não só não prejudicam, mas podem auxiliar a combater essas doenças. O segredo é procurar exercícios de baixo impacto. Descubra alguns deles logo a seguir.

Pilates

O pilates é um dos melhores exercícios para quem tem problemas articulares. Isso porque é um exercício de baixo impacto, que foca menos na agilidade dos movimentos e mais na precisão deles. Assim, ele faz pouca pressão nas juntas.

O pilates não é um exercício em si, mas um grupo de exercícios idealizado pelo fisioterapeuta alemão Joseph Pilates em meados de 1920. A ideia era criar, através de uma série de exercícios aeróbicos e musculares, uma consciência corporal maior.

Dessa forma, o pilates aos poucos exercita a articulação e aumenta sua flexibilidade. O pilates é perfeito, também, para quem tem problemas de postura, obesidade em estágios avançados ou problemas de circulação.

Natação

A natação é considerada por muitos fisioterapeutas como um serviço completo. Ela auxilia em diversas áreas, sendo recomendada para problemas de circulação, obesidade, problemas de crescimento em adolescentes e até mesmo doenças cardiovasculares.

Além disso, ela também é muito importante no combate a doenças ósseas. Isso se dá pelo fato de que o meio aquático é mais denso do que o atmosférico, dando a sensação de que seu corpo está mais leve.

Porém, paradoxalmente, a água oferece uma resistência maior aos movimentos do que o ar. O que torna mais difícil movimentar-se rapidamente dentro dela. Esse efeito faz com que nossos músculos sejam acionados e comecemos a trabalhá-los.

Além disso, como o meio aquático possui uma resistência maior aos movimentos que o ar, a natação é considerada um exercício de baixo impacto. Isso significa que o peso que está sendo feito sobre suas articulações é muito pequeno.

Por esse motivo, a natação é um dos melhores exercícios para quem tem doenças articulares. Ele não força as articulações, mas não apenas ajuda a flexibilizá-las, mas a fortalecer os grupos musculares que as protegem.

Hidroginástica

Sendo também uma das melhores atividades para quem tem problemas nas juntas, o princípio da hidroginástica é muito próximo do da natação em si. Porém, diferente desta, não envolve o nado em si.

Ao invés disso, a hidroginástica envolve uma série de exercícios aeróbicos praticados dentro d’água. O motivo destes exercícios serem praticados em meio aquático também provém do fato deste ambiente gerar uma resistência aos movimentos.

Para idosos, pessoas com problemas motores ou para quem sofre de obesidade mórbida, a hidroginástica é uma forma segura de praticar um exercício aeróbico que também força seus músculos. Por isso ela é tão importante.

Esse mesmo princípio se aplica para problemas nas articulações. Pessoas que possuem artrite, artrose, hérnias ou similares sentem muitas dores nos menores movimentos. Além disso, se houver muito esforço sobre nas articulações afetadas, inchaços, irritações e dores podem surgir.

Porém, a partir do momento que você está dentro d’água, você pode executar alguns movimentos que no solo seriam mais pesados sem agredir as articulações. Isso permite que você treine sua flexibilidade e fortaleça os músculos em volta delas.

Isso torna da hidroginástica, junto da natação e do pilates, os três melhores exercícios para quem tem problemas articulares, sendo perfeitos para começar um tratamento.

Sobre rafael

Veja Também

O Que é Fibromialgia e Como a Academia Pode Ajudar?

Você sabe o que é fibromialgia? É uma doença ainda pouco conhecida e estudada, que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *